Representantes do segmento abordam projetos e soluções na área de saúde para modernização dos serviços oferecidos à população

No dia 30 de agosto, a IoT Latin America, feira internacional de Internet das Coisas, recebeu em seu Multipalco de Inovações representantes da área de saúde falando sobre as principais ideias e projetos de IoT para melhorar os serviços oferecidos à população.

Sob o tema “Mecanismos para expansão de IoT em organizações de saúde”, Vidal Melo, representante do Hospital das Clínicas, enfatizou que enxerga a Internet das Coisas como uma ferramenta capaz de gerar dados e trazer mais informação. Com isso, após o surgimento da IoT “a tecnologia passou a dominar áreas que antes eram dominadas somente por seres humanos”, contou.

Durante a palestra, Melo apresentou o Inova HC, prática voltada para incentivar o empreendedorismo e o desenvolvimento de projetos que gerem impacto no sistema de saúde. O conceito conta com diversas ideias em andamento, como o Sistema Nacional de Controle de Medicamentos e a proposta de receita médica digital, que promete identificar a receita desde a solicitação do remédio, venda até chegar ao consumidor final. “Isso permitirá combater o uso indevido de antibióticos, a automedicação, entre outros problemas”, expôs Melo.

O professor doutor em Engenharia Biomédica, Wagner Sanchez,da FIAP(Faculdade de Informática e Administração Paulista), um dos convidados da feira, abordou em sua palestra o conceito de Biohacking, expressão em inglês que combina o prefixo bio, que significa vida, com hacking, que vem da computação. Isto no sentido de interpretar os sinais do nosso corpo para melhorar o desempenho.

“Temos uma grande quantidade de gadgets (aparelhos) de IoT que podem ler nossos biosinais e nos ajudar, desde evitando uma parada cardíaca até prevenir um tombo de idosos”, descreveu Sanchez. Ele ainda deu exemplos de quais sinais são possíveis serem identificados: “estado de atenção, humor, odor, movimentos e que podem ser transformar em soluções para nos ajudar”, esclareceu.

A aplicação de tecnologias de IoT promete facilitar o envolvimento do paciente e promover mais saúde para todos. “Fico feliz de eventos como esse que começam a divulgar e colocar o setor de saúde no contexto. A primeira impressão de Internet das Coisas que se tem é ser aplicada em manufatura, mas vemos que ela também se aplica à saúde”, avaliouAlexandre Grandi, da Cognizant Brasil, um dos palestrantes do evento, que abordou o tema “Saúde Conectada – Alcançando maiores níveis de envolvimento do paciente e promovendo mais saúde para todos”.

O conceito IoT (ou Internet das Coisas) diz respeito a toda infraestrutura tecnológica conectada à internet. A IoT já é considerada a mais promissora plataforma de tecnologia do mundo e deve movimentar US$ 19 trilhões até a próxima década, segundo previsões da Cisco, líder mundial em TI e redes. Deste montante, a América Latina será responsável por US$ 860 bilhões, sendo o Brasil o detentor de US$ 352 bi.

Confira o resumo da feira Aqui!

Recent Posts