Em palestras ministradas na IoTLatinAmerica, feira realizada entre os dias 29 e 30 de agosto, representantes da empresa falam sobre os desafios e ideias da Companhia para se integrar à Internet das Coisas

A superintendente de pesquisa e desenvolvimento tecnológico da Sabesp, Cristina Zuffo, deu início às palestras realizadas na IoTLatinAmerica, feira internacional de Internet das Coisas, que ocorreu nos dias 29 e 30 de agosto, no Transamerica Expo Center.

A Sabesp é responsável por 28% dos investimentos de saneamento no Brasil e é a quarta maior empresa do setor no mundo. Atualmente, a Companhia busca uniformizar a entrada e colocar em prática as novas tecnologias, mas esbarra em alguns empecilhos. As inovações geralmente chegam por meio de fornecedores e, muitas vezes, não são totalmente aplicáveis ao setor de saneamento sendo necessários reajustes. “Queremos ser indutores de tecnologia, e não ficar somente como meros espectadores”, enfatizouZuffo.

Com isso, a Sabesp lançará ainda neste ano o programa “Pitch Sabesp”, uma chamada pública para empresas e startups proporem soluções tecnológicas para os desafios e problemas da Companhia. Entre eles, estão a gestão dos mananciais, tratamento de água, combate a ligações clandestinas, redução de perdas e aumento de integração com os clientes. “Vamos fazer um acordo com essas empresas de cooperação técnica para desenvolver em conjunto os projetos e, depois, lançar isso no mercado”, explicouZuffo.

A superintendente salientou também que já existe uma série de medidas e parcerias em andamento para colocar IoT (Internet ofThings ou Internet das Coisas) e tornar o sistema mais eficiente: “A inovação entrou no planejamento estratégico da empresa e agora faz parte do DNA da Sabesp”, frisa. O fato é importante, pois o saneamento está diretamente associado à mortalidade infantil gerando impacto também em outros setores sociais.

No mesmo dia, Daniel Bocalão Júnior, gerente de Conectividade e Segurança da Informação na Sabesp, acrescentou em sua palestra “A transformação digital no saneamento” que o setor não tem mais o mesmo modelo de antes e a IoT já faz parte dos sistemas da companhia. “É fundamental mostrar que o saneamento hoje em seu processo da cadeia produtiva, tanto no tratamento de água como de esgoto, está totalmente dependente de tecnologia em razão de já ter embarcado em todos os seus dispositivos e infraestrutura soluções de IoT”, expôs Bocalão.

O processo de transformação tecnológica da Sabesp faz parte do conceito de IoT, que já é considerada a mais promissora plataforma de tecnologia do mundo e deve movimentar US$ 19 trilhões até a próxima década, segundo previsões da Cisco, líder mundial em TI e redes. Deste montante, a América Latina será responsável por US$ 860 bilhões, sendo o Brasil o detentor de US$ 352 bi.

Recent Posts