Segundo o diretor técnico da Aureside,George Wootton, as construtoras já pensam seus empreendimentos residenciais e comerciais com infraestrutura pronta para a IoT

George WoottonSão Paulo sediará nos dias 29 e 30 de agosto a 3ª edição do IoT Latin America, o mais importante evento B2B exclusivamente voltado ao setor e com foco em geração de negócios na América Latina.  A Internet das Coisas ou IoT (na sigla em inglês) promete ser a resposta para executar tarefas do cotidiano de maneira mais fácil com um melhor custo-benefício. O conceito de Casa Inteligente, com a interligação de diversos aparelhos e dispositivos em rede, está cada vez mais presente na vida dos brasileiros.

De acordo com a Aureside (Associação Brasileira de Automação Residencial e Predial), uma das entidades presentes na IoT Latin America, nos novos empreendimentos residenciais as construtoras já estão entregando os imóveis com a infraestrutura necessária para IoT. No caso de espaços comerciais ou industriais, as próprias empresas que ocuparão essas áreas já discutem com engenheiros e arquitetos, desde a planta, a implantação dessas tecnologias.

A Aureside participará, durante a IoT Latin America, de um dos painéis de discussão com o tema “Automação Residencial”. Confira a seguir entrevista com o diretor técnico da entidade, George Wootton:

IoT Latin America – Como será a participação da Aureside na IoT Latin America? 

George Wootton – Ainda estamos fechando os detalhes, mas, como nos anos anteriores, seremos corresponsáveis pela vertical de Automação Residencial, trazendo palestrantes para o evento, sempre relacionando a automação com IoT.

IoT Latin America – Qual a expectativa da entidade em relação a IoT? 

George Wootton – Entendemos que Automação Residencial e IoT estão diretamente relacionadas, principalmente quando pensamos em ConsumerIoT, conforme consta em nosso Manifesto:

“A AURESIDE entende que a Internet das Coisas está diretamente relacionada com o presente e o futuro da Automação Residencial e sente como parte da sua missão trazer a Internet das Coisas mais para perto de seus associados, fabricantes e integradores. Antecipamos uma muito provável convergência das atuais soluções para um conjunto de equipamentos de variados fabricantes, criando o meio ambiente da Casa Inteligente, que por sua vez fará parte das Cidades Inteligentes“.

O Manifesto completo pode ser lido em http://iotnobrasil.com.br/introducao

IoT Latin America -Qual a importância de um evento como o IoT Latin America para o desenvolvimento do setor no País?

George Wootton – O IoT Latin America tem sido um evento importante para divulgação de assuntos relacionados aos provedores e desenvolvedores de IoT no Brasil. Agora, com a definição do Plano Nacional de IoT, vejo neste evento uma ótima oportunidade para se integrar aos esforços mais “governamentais” e colaborar com o desenvolvimento das infraestruturas e também do mercado de uso/consumo.

IoT Latin America –Como a Internet das Coisas está mudando a ideia de Casa Ideal?

George Wootton– O principal benefício imediato que vejo na promoção da Casa Inteligente (Smart Home) é o aumento da visibilidade dos benefícios que tecnologias como IoT podem trazer.  Ainda estamos longe de termos uma concepção completa do que venha a ser a Casa Inteligente, mas os esforços, novidades e investimentos tem sido grandes e constantes. A abrangência da IoT tem permitido que a Casa Inteligente seja tratada muito mais conceitualmente do que apenas uma oportunidade de marketing de algumas empresas. Em resumo, a Casa Inteligente busca fornecedores à sua altura e a IoT tem acelerado o processo de seleção e aceitação.

IoT Latin America  –As construtoras estão levando em conta a Internet das Coisasem seus projetos mais modernos?

George Wootton -A Internet das Coisas ainda é mais conceitual que uma realidade palpável e pronta. As construtoras de unidades residenciais têm acompanhado o que o mercado apresenta de novidades, mas têm entendido também que sua principal participação é prover infraestrutura para que a Internet das Coisas possa “invadir” seus empreendimentos à medida que ela tome corpo. Estão também usando IoT como um chamariz de marketing, entregando uma infraestrutura adequada, mas com benefícios ainda tímidos. E isso é ótimo, pois põe a IoT em destaque, tornando-se mais visível ao futuro morador e também fazendo com que seja tema constante de qualquer melhoria ou gerenciamento que estes moradores venham a fazer em suas residências. Já as construtoras envolvidas em unidades industriais têm desenvolvido seus projetos com a participação direta dos futuros usuários, que são os que já trazem a Internet das Coisas em seus projetos (Industrial IoT).

IoT Latin America – Como a Aureside tem atuado na assessoria às construtoras em novos e modernos projetos residenciais e prediais?

George Wootton -A AURESIDE como entidade associativa não presta atendimento direto às construtoras. Atuamos, em conjunto com fabricantes e distribuidores, na capacitação dos integradores e projetistas que fazem este atendimento.

IoT Latin America –Quando se fala em “Casa Inteligente”, o brasileiro, segundo pesquisa recente do IDC, se interessa mais pelos dispositivos de segurança, quando o conceito é muito mais abrangente. Porque esse fenômeno acontece e como fazer para levar ao consumidor o conhecimento sobre os benefícios que a interligação de dispositivos em rede pode trazer em economia de tempo e recursos? 

George Wootton- O assunto Casa Inteligente no mercado brasileiro, quando a consideramos como a integração mencionada na pergunta, depende ainda de várias condições de contorno que ainda não estão sendo alcançadas. Como explico no quadro a seguir:

 image002

image004

 IoT Latin America -Hoje quais seriam os dispositivos ou equipamentos com conexão via internet mais presentes nos lares brasileiros? 

George Wootton- Não temos em mãos dados estatísticos, mas eu diria que se pensarmos em conexão com a Internet, temos os sistemas de automação residencial tradicionais, sistemas de câmeras de vigilância e algumas soluções pontuais, como controles remotos de lâmpadas conectadas. Equipamentos como Nest, SmartThings, Alexa e Google home não estão disponíveis no Brasil.

IoT Latin America -Até 2021, ainda segundo o IDC, os gastos em todo o mundo com hardware, software, serviços e conectividade para IoT deverão chegar a US$ 1,4 trilhão. Como está o Brasil em desenvolvimento e comercialização destas tecnologias em relação ao mundo? 

George Wootton- O Plano Nacional de IoT definiu quatro horizontais (infraestrutura) e quatro verticais (mercado) como prioritárias. Segundo o relatório final do plano: “O campo da Internet das Coisas (Internet ofThings – IoT) éoportunidade única para o Brasil capturar seu valor. Até 2025, no mundo, a IoT terá um impacto econômico de US$ 4 a 11 trilhões, maior que a robótica avançada, as tecnologias cloud e até mesmo a internet móvel. No Brasil, o impacto potencial é de US$ 50 a 200 bilhões por ano, valor que representa cerca de 10% do PIB brasileiro”. Infelizmente, o mercado de ConsumerIoT, onde poderíamos incluir a Casa Inteligente, não foi incluído entre as verticais prioritárias para o desenvolvimento e fomento no Brasil. Mesmo assim, vemos este mercado como muito promissor, dentro do seu universo relativo e comparado ao que temos hoje. Acredito que há três grandes pontos onde o Brasil pode se destacar: o de desenvolvimento de equipamentos como sensores e atuadores (desde que a fabricação não seja feita no Brasil) e o desenvolvimento de aplicações onde o uso inteligente de Big Data e Inteligência Artificial tragam soluções inovadoras a problemas antigos.

Realização: BMComm |RealAlliance

Serviço:

IoT Latin America

Quando: dias 29 e 30 de agosto
Horário: das 12h às 20h
Local: Transamerica Expo Center, São Paulo

Mais informações sobre a programação www.iotlatinamerica.com.br

 

Recent Posts