Tudo começou por volta de 1990, quando alguém conectou uma torradeira à Internet para controlá-la remotamente. No ano seguinte, cientistas conectaram uma cafeteira para que pudessem saber de longe se o café havia acabado ou não. Desde então, os inovadores estão trabalhando em garagens e laboratórios do mundo inteiro para descobrir como conectar qualquer coisa com um software na Internet, desenvolvendo uma comunidade de dispositivos.

Em 2010, pela primeira vez, o número de coisas conectadas à Internet superou o número de pessoas. Hoje, o norte americano tem, em média, mais de dez dispositivos conectados. A previsão é de que, em 2022, uma casa típica tenha cerca de 500 dispositivos conectados. Tudo, das TVs aos despertadores, das luzes até mesmo às pioneiras torradeiras e cafeteiras, estarão online.

Hoje em dia, não se trata apenas de conectar dispositivos à Internet, mas sim de nos aproximar de oportunidades infinitas. Dispositivos conectados significam acesso a um conhecimento sem precedentes na nossa história.

Problemas crônicos das sociedades atuais poderiam ser resolvidos por meio da Internet das Coisas (IoT). Estudo recente da software.org listou dados de diversas instituições que comprovam isso: mortes causadas por acidentes de trânsito podem cair em até 90% graças a carros autônomos e semi-autônomos; sensores de segurança pública e novos modelos de monitoramento residencial podem diminuir as taxas de crimes em 20%; o consumo de energia nas residências em 10% e o consumo das fábricas em até 30%; os custos com tratamentos contra doenças crônicas tem potencial de queda de até 50% por conta da internet das coisas. Esses e outros exemplos significarão um impacto de US$ 11,1 trilhões na economia até 2025.

A IoT está trazendo todo o potencial dos softwares e da Internet para o mundo físico, fazendo uma revolução por meio de sensores, dados, criptografia e nuvens. Os dispositivos conectados e munidos de software não estão apenas melhorando nossas vidas e transformando a maneira como trabalhamos, mas também aceleram a economia, criando novos empregos, negócios e oportunidades que vão nos levar pra um futuro mais próspero.

*Antonio Eduardo Mendes da Silva (Pitanga) é country manager da BSA no Brasil.

Fonte: IP News

 
 
Recent Posts